Brasil é 2º colocado em ranking global de adoção de NFTs com 5 milhões de usuários, revela pesquisa - Cointelegraph Brasil

Brasil é 2º colocado em ranking global de adoção de NFTs com 5 milhões de usuários, revela pesquisa  Cointelegraph Brasil

Brasil é 2º colocado em ranking global de adoção de NFTs com 5 milhões de usuários, revela pesquisa - Cointelegraph Brasil

O mercado de NFTs (tokens não fungíveis) movimentou US$ 41 bilhões em 2021, de acordo com a empresa de monitoramento de dados on chain Chainalysis, e o Brasil é um dos países que vem liderando a adoção desta nova classe de ativos digitais.

Uma pesquisa da Statista recém divulgada, intitulada Statista Digital Economy Compass 2022 revela que 5 milhões de brasileiros possuem ao menos um NFT, o que é equivalente a 2,33% da população do país. O Brasil está em segundo lugar no ranking divulgado pela empresa de análise de dados e estatísticas, à frente de potencias da economia digital, como EUA, China, Canadá e Alemanha. 

Apenas a Tailândia está à frente do Brasil. Com 5,65 milhões de usuários, o país do sudeste asiático lidera o ranking tanto em números absolutos quanto em termos proporcionais. Mais de 8% dos tailandeses possuem tokens não fungíveis.

O sucesso dos NFTs em países periféricos como Brasil e Tailândia em 2022 pode ser explicada pela ascensão dos jogos em blockchain no modelo play to earn, no qual o desempenho dos usuários é recompensado com criptoativos que podem ser convertidos em moedas fiduciárias.

Ao longo do ciclo de alta do mercado de criptomoedas no ano passado, fenômenos com o jogo Axie Infinity (AXS) se converteram em uma fonte de renda primária para os jogadores, especialmente em países com um grande contingente de pessoas de baixo poder aquisitivo, sob o estresse da desaceleração econômica imposta pela pandemia do coronavírus.

A pesquisa da Statista apresenta também a linha evolutiva da tecnologia subjacente aos NFTs, cujo primeiro exemplar remonta a 2012, até tornar se um mercado de mais de US$ 40 bilhões.

Tudo começou com as "Colored Coins", que foram utilizadas para agregar ativos diversos do mundo real na blockchain do Bitcoin (BTC), passando por "Force of Will", o primeiro sucesso de jogos baseados em blockchain, em 2016, a explosão dos CryptoKitties causando sérios problemas de escalabilidade na rede Ethereum (ETH) e o lançamento dos CryptoPunks, em 2017, até a popularização dos tokens não fungíveis no ano passado, graças a coleções de fotos de perfil como a Bored Ape Yacht Club (BAYC) e os já mencionados jogos play to earn.

Por enquanto, colecionáveis em NFT ainda são as principais forças econômicas por trás do crescimento do mercado, respondendo por 80% do volume negociado até o final de 2021, segundo o relatório. Porém, a contínua ascensão do setor de games e o desenvolvimento de metaversos descentralizados podem desencadear um processo de rebalanceamento do mercado.

A pesquisa também aponta as principais tendências no que diz respeito à exploração econômica dos NFTs.

Empréstimos baseados em pools de liquidez permitem que os detentores de NFTs utilizem seus ativos como garantia em um determinado pool de liquidez para contrair empréstimos não permissionados, enquanto os provedores de liquidez recebem taxas geradas pelas transações.

Empréstimos peer to peer (P2P), nos quais as partes negociam diretamente entre si os termos do contrato, também estão se tornando uma alternativa real para explorar o potencial econômico subjacente aos NFTs.

O fracionamento de NFTs pode se valer de dois modelos, segundo o relatório. O primeiro é baseado na indexação Indexação: um índice de preço mínimo é estabelecido para fracionar um determinado NFT de acordo com preços semelhantes de itens da mesma coleção. Enquanto a segunda assemelha se a um fundo de índice que agrupa diferentes NFTs para exploração de suas potencialidades econômicas.

Aqui, três modalidades se destacam. O aluguel com colateralização prevê que os locatários depositem ativos como garantia em um contrato inteligente para ter acesso ao NFT.

Já os NFTs embalados custodiados por marketplaces os credores depositam seus NFTs em um determinado protocolo e recebem pagamentos a título de aluguel do ativo.

Aluguel por tempo pré determinado: Os locatários tornam se temporariamente detentores de um determinado NFT até que o período do aluguel expire e o ativo seja automaticamente devolvido para o seu dono.

O relatório da Statista prevê ainda que as receitas globais geradas por NFTs cresçam 439% até 2026, em relação a 2021.

Conforme noticiou o Cointelegraph Brasil recentemente, o volume de negociação de NFTs aumentou mesmo em meio a turbulência que abalou o mercado de criptomoedas de forma mais ampla, apesar das coleções blue chip como a BAYC estarem registrando quedas recorrentes do preço base de seus colecionáveis desde o mês passado.

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!



O post Brasil é 2º colocado em ranking global de adoção de NFTs com 5 milhões de usuários, revela pesquisa - Cointelegraph Brasil apareceu primeiro em https://cointelegraph.com.br/news/brazil-is-the-second-largest-nft-market-in-the-world-with-5-million-users-reveals-survey.

Gostaria de fazer uma resenha sobre Brasil é 2º colocado em ranking global de adoção de NFTs com 5 milhões de usuários, revela pesquisa - Cointelegraph Brasil?